ASSOCIAÇÃO DOS PACIENTES DOADORES
E TRANSPLANTADOS RENAIS DE
SOROCABA E REGIÃO


Publicidade / Campanha - 468x60


     

  

SOBRE A TRANSDORESO  |  DIRETORIA   |   ESTATUTO SOCIAL  |  METAS E OBJETIVOS  |   DOAÇÃO  |  VOLUNTARIADOFALE CONOSCO   

CAPAOS RINS | MANUAIS DE AJUDA | SEUS DIREITOS | HEMODIÁLISE | ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL | TRANSPLANTES | GLOSSÁRIO | FAQ |

  DIA MUNDIAL DO RIM


Seus rins estão bem ?

Nos últimos anos, o número de pacientes com insuficiência renal crônica tem crescido assustadoramente em todo o mundo, inclusive no Brasil. Alguns já se referem à doença como a nova epidemia do século XXI. Estima-se que cerca de 2 milhões de brasileiros sofram de doenças renais sem ter conhecimento da sua condição. A insuficiência renal crônica é a perda lenta, progressiva e irreversível das funções renais. É também uma condição silenciosa, pois não há sintomas aparentes até que os rins percam 50% de sua função.

Comumente, os primeiros sintomas perceptíveis são inchaço dos olhos, pés, pernas, urina muito espumosa, anemia e aumento da pressão arterial. Ao apresentar qualquer um destes sinais é imprescindível procurar um médico para orientação e investigação da “saúde” dos rins. Se o diagnóstico for tardio, pode ser necessário o tratamento com diálise ou transplante, em geral quando a função renal chega a 15%. No Brasil, são 70 mil pacientes em diálise. Estima-se que, em 2010, este número cresça para 125 mil pessoas.

Diversas são as doenças que levam à insuficiência renal crônica. As mais comuns são a hipertensão arterial e o Diabetes. Após cerca de 15 anos de Diabetes, alguns pacientes começam a ter problemas renais. As primeiras manifestações são a perda de proteínas na urina, aumento da pressão arterial e, mais tarde, o aumento da uréia e da creatinina no sangue. Para se ter uma idéia, 25% dos pacientes em diálise são portadores de Diabetes do tipo 2.

Por isso, é importante alertar que todos os pacientes com estas enfermidades ou que apresentem um dos sintomas acima relacionados procurem um médico e realizem exames de urina e de creatinina no sangue, que poderão detectar de forma rápida e simples algum problema renal. Vale lembrar que o médico que cuida dos rins é o Nefrologista. Quando a doença renal crônica é detectada precocemente, é possível tratar com medicamentos, controle alimentar e retardar, assim, a perda da função renal ou até mesmo curar a doença em alguns casos.

Para mudar este quadro, é preciso prevenir e conscientizar a população sobre como cuidar bem dos rins. No próximo dia 8 de março, será comemorado o Dia Mundial do Rim, por uma iniciativa conjunta de várias entidades. No Brasil, a Sociedade Brasileira de Nefrologia, através da campanha Previna-se, pretende mobilizar a sociedade na discussão da importância do assunto para a saúde pública brasileira. Hoje, com o aumento da expectativa de vida, o Brasil deve preparar-se para atender à demanda das doenças crônico-degenerativas com ações de prevenção que podem melhorar a qualidade de vida dos cidadãos e diminuir o impacto econômico e social das doenças.

E seus rins, estão bem? Mais informações no site www.sbn.org.br/previna.htm 



Professora Dra. Gianna Mastroianni Kirsztajn – Nefrologista da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Coordenadora da Campanha PREVINA-SE da Sociedade Brasileira de Nefrologia

Fonte:  Leda Sangiorgio- Assessora de Imprensa



Voltar

 APOIO:

 

   

 POLÍTICA DE PRIVACIDADE  | TERMOS E CONDIÇÕES DE USO | ADICIONAR AOS FAVORITOS!  |  INDIQUE ESTE SITE



Este site esta em conformidades com a
Resolução nº 097/2001 do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo
( CREMESP )  que institui o Manual de Princípios Éticos para Sites de Medicina e Saúde.
Copyright © 2005:  TRANSDORESO -
ASSOCIAÇÃO DOS PACIENTES DOADORES E TRANSPLANTADOS RENAIS DE SOROCABA E REGIÃO
Produção e Criação 2005:

Todos os Direito Reservados